18 agosto 2010

Verborragia

Eu nunca fui muito boa em escrever o que eu sinto. Parece sempre mais fácil ser engraçada do que revelar meu íntimo. Medo? Talvez. Mas não medo do que as outras pessoas vão pensar, medo de mim mesma. Adoro aquelas pessoas vibrantes e cheias de alegria que contagiam todo o lugar que passam e fico simplesmente aterrorizada de ser aquele outro tipo de pessoa. Sabe qual? Aquele oposto... aquela pessoa baixo astral que vive reclamando de tudo, viciada em ver problemas mesmo onde eles não existem. Eu não suporto esse tipo de gente. Então toda vez que cogito a idéia de escrever alguma coisa sobre meu íntimo, temo expor uma parte desagradável de mim. É aquela velha coisa de sempre querer que os outros vejam nosso melhor lado. Esconder os defeitos, esquecer no fundo do baú os problemas, tornar-se mais "gostável", na medida do possível. Ridículo? Um pouco, confesso. Mas absolutamente humano, sei bem. Todos temos dúvidas. Estar vivo é se questionar. Vida de comercial de margarina só funciona na TV. E como não vivo exatamente no mundo de doriana, eu tenho dúvidas, problemas e medos. Não entendo muitas coisas. Muitas vezes não entendo a mim mesma.

8 comentários:

Matilda ; disse...

Me identifiquei bastante. Tenho muitos problemas em falar como eu me sinto. E sou o tipo de pessoa que vive reclamando por ai, exagerando, procurando pelo em ovo.

Primeira vez que comento aqui. *_*

Red Forman disse...

Enquanto muitos gostam de ser vistos como "coitados", outros preferem não passar por isso e têm seu mérito.

É um cu ser visto como pobre coitado.


=*

RED.

Red Forman disse...

só uma observação: eu mesmo criei o blog pq queria um lugar prareclamar da vida sem ninguém me encher o saco.


=*

RED.

Lilly disse...

Puxa, que bom, então você deu o primeiro passo, pois escreveu muito bem sobre seus sentimentos. No outro dia eu pensei em escrever sobre isso. Como a gente parece se cobrar para ser exatamente o oposto do que a gente é, como se existisse uma forma certa de ser. Você pode ser ótima sendo mais reservada, prezando as boas amizades. Creio que precisamos sempre buscar a evolução mas observando o que é a nossa essência de verdade, evitando nos violentar. Tudo o que é extremamente oposto a nós nos violenta, nem que seja gradualmente.

Beijos.

۞ Sol disse...

Parece que você me descreveu, mas eu gosto sim de escrever o que eu sinto, mesmo sendo rabugenta. Um dia aceitaremos a nós mesmos...rsrs
Abraços!

Cacheada disse...

Claro, certissimaa...
e estar vivo eh se contestar..
eu odeio quando alguém me diz, "essa é do tipo que ñ aceita nada e contesta a tudo"

PQP, velho, se vc aceita tudo que lhe dizem como criará opnião!
Bom saber que n sou a unica...
e eu tbm prefiro ser engraçada!
;)

Fernand's disse...

Mas quem se entende? Minha linda, a melhro fórmula é tentar encontrar uma maneira agradável de convivermso com nossos calabouços. Todos temos. Quando descobrimos que algumas coisas são mais simples do que imaginamos, fica mais fácil!

Bjs meus.

disse...

Tenho comigo que pessoas "vibrantes e cheias de alegria que contagiam todo o lugar que passam" não podem ser sempre assim. Particularmente tenho medo de gente que nunca está triste, parece que criam um ser humano artificial que nunca se revela por completo. Gente que é gente tem dias e dias e faz parte da convivência (do afeto) passar por tudo isso ao lado das pessoas.
Se revelar deste modo foi muito bonito. Espero que este entendimento sobre si mesma chegue logo. =}